A Última Carta De Amor

Era para ser eterno, sempre achamos que é eterno. Mesmo quando a euforia diária e as famosas borboletas no estômago desaparecem. insistimos em achar que é eterno.

Foi eterno enquanto durou, parafraseando Vinícius de Moraes e agora tenho que aprender a lidar com esse vazio que você deixou. A cama ficou mais espaçosa e não tenho mais de quem roubar o edredom e nem o travesseiro de ninguém. Também posso me esparramar na cama sem te chutar. Parece bom, não é mesmo? E é! Mas eu confesso que preferia as “brigas” noturnas por causa disto tudo e suas reclamações matinais por ter te chutado.

Texto sobre amor feito por Luh Guedes

Mas as partes boas, não param por aí. Descobri o quanto é bom levantar cedo, tomar um café da manhã saudável e demorado, sem me preocupar com o que você vai comer. Sim, eu sei que isto nunca foi minha obrigação, mas eu gostava de cuidar de você e agora eu estou reaprendendo a cuidar de mim.
Minhas calcinhas voltaram a ficar pendurada no boxe do banheiro e até agora ninguém reclamou. Ah, cortei o cabelo também. Foi libertador e senti um prazer inenarrável de imaginar sua reação ao ver meu cabelo curtinho se estivesse aqui. Mas você não está e eu, ah, eu estou apaixonada por mim, me redescobrindo.

Confesso que às vezes eu me questiono. Será que eu estou fazendo tudo isso porque eu realmente sempre quis fazer ou é só para te provocar? Abri mão de muita coisa por você, aceitei todas as suas imposições e quase me tornei uma outra pessoa. O mais irônico é que lá no fundo, bem lá no fundo, eu tenho certeza que é por isso que você resolveu ir embora. Você se apaixonou por mim, do jeito que eu era. Meio maluquinha, cheia de vontades, fazendo tudo do meu jeito e no meu tempo. Eu te entendo, eu também me amava mais naquela época.

Acho que é o erro que a maioria das pessoas cometem em um relacionamento. Ou elas se anulam pelo outro ou querem transformar o outro em outra pessoa. A pessoa que se anula, se torna sem graça, previsível e quem gosta disso? E quem quer mudar o outro, algumas vezes até consegue, não é mesmo? E quando muda, nota que é “daquela” pessoa que ela gosta. A chama apaga e tudo se esvai.

É uma das lições que eu tirei do nosso amor, que deu certo durante o tempo que tinha que dar. Nos amamos muito sim, brigamos, amadurecemos, crescemos e por fim, você notou que já tínhamos vivido tudo que tínhamos para viver.

Se sinto sua falta? Claro que sinto! Sinto falta do seu cheiro, da sua risada, do seu gosto, do seu jeito de me provocar. Você poderia estar aqui, sem estar, como vejo muitas pessoas fazendo por aí. Você poderia estar aqui e não admitir para mim, para você e para os outros que o nosso relacionamento já tinha acabado há algum tempo. Por que o amor não acabou, mas nosso relacionamento sim. Sei que você continua me amando, assim como eu te amo e sempre te amarei, mas não como homem e sim como ser humano. Por que amor é respeito e você sempre me respeitou e eu te respeitei. Amor é sinceridade, é companheirismo, é carinho e você sempre representou tudo isso para mim. E amar, é saber a hora de partir e você também soube partir na hora certa.

Acho que mesmo sabendo disso, vou sentir sua falta durante algum tempo. Agora eu escrevo esta última carta de amor, e me dói de alguma forma saber que é a última.E escrevo, porque eu queria te dizer muito obrigada. Obrigada por tudo que vivemos! Obrigada por me arrancar sorrisos quando eu estava com raiva, por trazer chocolate e ignorar minha ira nos dias difíceis. Obrigada pelas horas de conversa a fio, por acompanhar as séries comigo (até as que você não gostava). Obrigada por me apresentar tantas músicas novas e me ensinar tanto sobre a vida. E por fim, obrigada por ter me deixado, acho que esta foi sua última e maior prova de amor e são poucas as pessoas que tem a hombridade de saber a hora de ir, sem traição, sem desrespeito, simplesmente porque tinha chegado a hora.

Obrigado por ter sido meu amor e por me ensinar muito mais sobre ele do que eu tinha imaginado.

Para sempre, de alguma forma, seu amor

Continue reading →

Desacelera

Você já percebeu como nosso dia está cada vez mais agitado? Tem o trabalho, inglês, academia, aula disso, especialização daquilo, etc. Chega final de semana, mais compromissos, trabalho de casa, filhos, cachorros, papagaios e periquitos. Agora quero saber, quando é que você desacelera? Quando você respira, pensa na vida, relaxa?

Eu vejo você está cada dia mais ocupado e vivendo cada dia menos. E quando eu falo viver, é viver mesmo, não é farra, gandaia, passar a noite acordado. Viver é fazer o que te agrada, o que te acrescenta, tirar momentos para você, sabe? Refletir, pensar o que está certo e o que está errado, o que precisa ser melhorado, mudado e o que precisa ficar do jeito que está.

Você “corre” o tempo inteiro, não olha para o lado, não aprecia as paisagens, a arquitetura da sua cidade/bairro, não olha para a natureza e muito menos para os seres humanos. Corre e corre com o celular na mão, olhando para o que o outro está fazendo, admirando paisagens e visões alheias.

De que adianta estudar tanto, trabalhar tanto e não viver, não ter história para contar ou algo a ensinar? Momentos para ficar com quem ama, seja um amigo, um familiar ou seu(a) ou parceiro (a)? De que adianta tantos diplomas e uma conta recheada de “golpinhos” (leia-se dinheiro), se não tem com quem dividir?

Que tal começar o ano desacelerando? Isso mesmo, desacelera, desconecta! Ande mais devagar, aprecie todas as paisagens que os seus olhos possam capitar e aquelas que você achar que merecem um registro, o.k., poste nas redes sociais. Ande pelo bairro, olhe para as pessoas, olhe para o céu, olhe para as plantas, entre naquela loja que você sempre passa na porta diariamente e nunca entrou. Não precisa comprar, mas conheça o local em que você vive. Aposto que muitos de vocês nem sabem se tem uma planta ou árvore diferente em seu bairro. Olhe para os prédios, para as casas, para os seres humanos. Não tem nada mais gostoso do que observar, ver a alegria das pessoas e às vezes até o mau humor. Quando vejo uma pessoa muito mau humorada, meu humor melhora na hora, pois não quero que outras pessoas me vejam como eu vejo aquele ser humaninho mau humorado. Engraçado isto, não é mesmo? (Para não dizer estranho!)

Desacelera! Passe mais tempo na natureza, leia mais livros, tire um tempo para não fazer nada, apenas relaxe. Chegou a hora de ter tempo para você e de você se encontrar. Sim, se encontrar, pois vejo que você, assim como várias outras pessoas, está perdido. Você está focado em trabalhar, estudar e muitas vezes nem sabe por que está fazendo isto ou se é isto mesmo que quer fazer. Fazemos porque temos que fazer, mas não analisamos se é isto que realmente queremos, fazemos o que a sociedade impõe. Dorme tarde, acorda cedo e já cansado(a), pois já acorda pensando no que tem que fazer durante o dia e esquece de viver e agradecer por tudo que tem.

Agradecer sim, senhores, senhoras e senhoritas! Seu trabalho pode não ser o que você realmente quer, mas você tem um trabalho. Sua casa pode não ser perfeita, mas você tem um lar. Sua família pode ser chata, mas você tem uma família. Seus amigos, bom seus amigos são seus amigos porque você os escolheu e se tem algum que não está te fazendo bem, afaste. Simples assim. Agradeça por tudo que você tem, pois muita gente daria a vida para ter pelo menos um pouco disso.

Escolha estar com pessoas que te fazem bem, em lugares que te deixam mais leve. Seja positivo, principalmente nos dias mais difíceis, pois é nesses dias que você precisa acreditar que tudo vai dar certo.

Desconecte-se! Desconectar também é bom, faça um detox da vida online e viva um pouco mais o offline. Tire um dia, uma hora, uns minutos para fazer isto. Ou vá dosando. Faça uma coisa de cada vez, não se sobrecarregue!

Desacelera!